Striking back

Retornando depois de um tempo sem postagens, mas com boas novidades.

Com diversas atividades em andamento, fiquei fora do ar durante boa parte do mês de junho. No entanto, os motivos são nobres:

  • na segunda quinzena de maio, o setor onde trabalho recebeu um reforço importante, com estagiários e também alguns alunos voluntários. O meu trabalho cotidiano mudou, então: sigo na linha de frente, mas agora com a função adicional de orientar o trabalho de estagiários e acompanhar as contribuições dos voluntários, em parceria com a minha colega que trabalha em Bagé. Orientar o trabalho de uma equipe está sendo uma experiência interessante, que recomendo para quem tiver a oportunidade. Como se diz popularmente, dê uma fraçãozinha de poder a alguém para conhecê-la de verdade. A minha porção é ínfima, mas já está sendo muito valiosa, pelo aprendizado que estou tendo. Em decorrência dessa nova colaboração…
  • … alguns projetos antigos estão sendo colocados em prática. Um deles é a organização do Guia de Fontes Científicas para a universidade onde trabalho. Confesso que ano passado, quando comecei a delinear algumas funcionalidades e a analisar alguns benchmarks, como o guia da Embrapa, não tive condições de tocar o projeto. Como as demandas de jornalismo são constantes e a equipe (em 2011) era enxuta, com apenas duas pessoas atendendo a instituição, os rascunhos dormiram na minha gaveta virtual do Google Docs até o início de junho, quando retomei o trabalho contando com a valiosa ajuda de três acadêmicos de Jornalismo: Janine Motta, Tatiane Bispo e Victor Borges. Já fizemos uma primeira rodada de cadastramento, para analisar o processo, e a aceitação, na maioria dos casos, foi muito boa. Docentes e técnicos administrativos que concordem em se cadastrar vão integrar o banco de dados, que inicialmente será usado pela ACS, para uma fase de maturação. Quando pudermos oferecer esse cadastro online com qualidade, teremos então um bom produto a oferecer para a imprensa, e mesmo a comunidade acadêmica se beneficiará desse conhecimento. Essa ferramenta será especialmente útil para a criação de uma…
  • …revista de Jornalismo Científico, que devemos planejar nesse segundo semestre. Temos muitas coisas a definir, mas um dos princípios  já podem ser dado como certo: todas as áreas serão contempladas. Uma das dificuldades que as melhores publicações do ramo, como a Ciência Hoje, tentam sanar é a diversidade de saberes que podem ser divulgados. Um outro benchmark é a revista Darcy, da UnB, batizada assim em homenagem ao educador e gestor Darcy Ribeiro. Neste caso, a revista se define como “revista de jornalismo científico e cultural”. Eu também tenho lido alguns livros de divulgação de ciência.  O último chama-se “O Andar do Bêbado”, do físico Leo Mlodinow. O que estou lendo agora, em paralelo com “Uma Breve História de Quase Tudo”, de Bill Bryson, é “Neutralidade da Ciência e Determinismo Tecnológico”, de Renato Dagnino. Do que li até o momento, Bryson apresenta uma visão mais abrangente do conhecimento científico tendo em vista a sua comunicação mais fácil, e Dagnino traz a leitura sobre as concepções existentes hoje a respeito de Ciência e Tecnologia (C&T), com uma preocupação quanto ao papel desse setor, e de seus atores, na discussão sobre desenvolvimento nacional. Vou colocar mais comentários aqui quando concluir, ok?

Enfim, essas são as novidades. Tem mais coisa boa vindo aí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s